Ataque de tubarões interrompe decisão do J-Bay Open na África do Sul

By WSL South America | 20 de julho de 2015 | noticias

O J-Bay Open foi encerrado no domingo sem um campeão, pois a bateria final foi cancelada depois de um ataque de tubarões em Mick Fanning, que felizmente saiu ileso do incidente. Ele e o também australiano Julian Wilson saíram do mar e após algumas reuniões foi anunciado que não iam mais decidir o título em Jeffreys Bay. Com isso, Adriano de Souza se manteve na frente do Jeep Leaderboard, pois só seria superado por quem vencesse a sexta etapa do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour na África do Sul.

Mick Fanning of Australia is attacked by a shark during the Final of the JBay Open on Sunday July 19, 2015. Fanning was not harmed during the incident.

Toda a cena do ataque dos tubarões foi transmitida ao vivo pelo worldsurfleague.com, como o australiano lutou para se livrar dos dois animais, antes da equipe de segurança de água rapidamente chegar e tirar tanto Fanning, como Julian Wilson, do mar. Apesar dos momentos dramáticos vividos pelo australiano, ele conseguiu sair sem ferimentos do incrível incidente.

“Estamos muito gratos que ninguém ficou ferido gravemente hoje (domingo)”, disse Kieren Perrow, Comissário da WSL. “A rápida atuação do Mick (Fanning) em face de uma situação aterrorizante foi heróica e também do nosso pessoal de segurança de água foi louvável. A segurança dos nossos atletas é uma prioridade para a WSL e, após conversar com os finalistas, decidimos cancelar o restante da competição no J-Bay Open. Agradecemos ao apoio que tivemos aqui na África do Sul e mais uma vez queremos expressar nossa gratidão à equipe de segurança de água”.

O australiano Mick Fanning relatou os momentos aterrorizantes que viveu em Supertubes, onde tentava o bicampeonato o J-Bay Open que valeria a liderança no Jeep Leaderboard da World Surf League: “Eu estava sentado na prancha e senti algo agarrar ou ficar preso na minha cordinha (leash) na perna e eu instantaneamente saltei assustado. Ele continuou chegando na minha prancha e eu ficava chutando e gritando. Eu só vi ele pertinho, mas nenhum dente. Eu estava esperando ele me morder quando estava nadando, dei um soco atrás dele, mas estou totalmente bem, não aconteceu nada comigo. Só minha prancha que afundou um pouco e minha cordinha da perna foi mordida pelo tubarão”.

“Eu estava lá tranquilo, só esperando a minha vez de surfar, a minha oportunidade, e eu sabia que o Julian (Wilson) estava mais abaixo de mim no pico”, continuou Fanning. “Eu estava prestes a pegar uma onda, comecei a remar e, de repente, eu tive esse instinto de que algo estava atrás de mim. Eu comecei a ficar preocupado e, em seguida, a coisa veio, eu estava na minha prancha e foi ali mesmo. Eu vi a coisa toda se debatendo a minha volta, depois fui arrastado quando ele pegou a minha cordinha da perna. Eu tentei sair dali, mas ele ainda estava lá vai e eu ainda estava preso na minha prancha. Aí eu senti uns dois puxões fortes, em seguida, ele foi me arrastando e depois, finalmente, a cordinha quebrou e me soltei da prancha”.

“Comecei a nadar e gritando e gritando para o Jules (Julian Wilson) para se mover também, mas ele estava vindo para perto de mim. Eu continuei nadando, me virei e fiquei pensando no que aconteceu, por ter tido uma outra chance para mim, então eu virei para que eu pudesse pelo menos vê-lo chegando. Antes de ver se o barco estava lá, os jet skis chegaram e nós ficamos em segurança. Eu simplesmente não posso acreditar em tudo que aconteceu e estou muito feliz por ter saído disso. Eu quero que toda a minha família e amigos saibam que estou bem”.

“O Mick (Fanning) estava olhando para dentro do pico e eu vi a coisa toda aparecer atrás dele”, disse Julian Wilson. “Eu pude ver ele lutando, depois que já não estava em sua prancha, aí entrou uma onda, perdi ele de vista e pensei, ‘ele se foi’. Eu senti que não podia chegar lá rápido o suficiente e fiquei assustado com o que poderia ter acontecido. O resultado da bateria não significa nada para mim, estou apenas muito feliz que ele está vivo. Eu literalmente pensei que quando eu estava remando para ele, que eu não ia chegar lá antes dos tubarões, especialmente quando o vi fora de sua prancha e nadando para longe. Eu pensei que estavam perseguindo ele e foi muito assustador. Eu estou muito feliz que nós dois estamos na praia agora, pois eu estava muito preocupado com a vida do Mick”.

Como a bateria final do J-Bay Open terminou sem vencedor, Mick Fanning e Julian Wilson ficaram com 8.000 pontos no ranking e dividiram os prêmios dos finalistas, com cada um recebendo 70 mil dólares. Quem vencesse a etapa sul-africana, assumiria a liderança do ranking, mas como ambos ficaram em segundo lugar o brasileiro Adriano de Souza permaneceu na frente do Jeep Leaderboard. Fanning recuperou a vice-liderança e Wilson subiu para o terceiro lugar, com Filipe Toledo caindo da segunda para a quarta posição.

Os quatro brasileiros que competiram no último dia do J-Bay Open não venceram nenhuma bateria. Wiggolly Dantas perdeu na primeira rodada do dia para Julian Wilson, que atingiu imbatíveis 18,67 de 20 possíveis logo neste segundo duelo do domingo. O australiano depois barrou Adriano de Souza nas quartas de final por 15,53 a 12,33. Na disputa seguinte, Gabriel Medina fez uma grande bateria contra Kelly Slater, que desta vez derrotou o atual campeão mundial por 18,10 a 17,23 pontos. E na última quarta de final, Mick Fanning também ultrapassou a barreira dos 18 pontos para vencer o catarinense Alejo Muniz por 18,17 a 9,00.

“Nós dois surfamos ótimas ondas”, disse Gabriel Medina, que foi quem chegou mais perto de uma classificação brasileira para as semifinais e subiu da vigésima para a 15.a posição no ranking com o quinto lugar na África do Sul. “É difícil ganhar do Kelly (Slater) aqui, especialmente quando as ondas estão assim. Ele é o cara a ser batido aqui e eu sabia que ia ser uma bateria muito difícil. Eu não tive o que fazer, mas me diverti lá fora e estou feliz com o resultado. Estou bem mais animado para o Taiti (próxima etapa), onde no ano passado consegui um grande resultado lá, então agora é voltar para casa para se preparar”.

PROXIMAS ETAPAS – Depois do J-Bay Open, restam cinco etapas para definir o campeão mundial do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour 2015. A próxima é o Billabong Pro nos tubos de Teahupoo, de 14 a 25 de agosto no Taiti, onde Gabriel Medina conquistou o título no ano passado. Depois tem o Hurley Pro em Trestles (EUA), o Quiksilver Pro em Hossegor (FRA), o Moche Rip Curl Pro em Peniche (PRT) e o Billabong Pipe Masters fechando a temporada nos dias 8 a 20 de dezembro em Banzai Pipeline, no Havaí.

—————————————————————————————

João Carvalho – Assessoria de Imprensa da WSL South America – jcarvalho@worldsurfleague.com

—————————————————————————————

FINAL DO J-BAY OPEN:

Mick Fanning (AUS) e Julian Wilson – 8.000 pontos

SEMIFINAIS – Derrota=3.o lugar com 6.500 pontos:

SF 1: Julian Wilson (AUS) 16.40 def. Adrian Buchan (AUS) 15.20

SF 2: Mick Fanning (AUS) 18.13 def. Kelly Slater (USA) 16.26

QUARTAS DE FINAL – Vitória=Semifinais / Derrota=5.o lugar com 5.200 pontos:

1.a: Adrian Buchan (AUS) 18.00 x 15.67 Kai Otton (AUS)

2.a: Julian Wilson (AUS) 15.53 x 12.33 Adriano de Souza (BRA)

3.a: Kelly Slater (EUA) 18.10 x 17.23 Gabriel Medina (BRA)

4.a: Mick Fanning (AUS) 18.17 x 9.00 Alejo Muniz (BRA)

QUINTA FASE – Vitória=Quartas de Final / Derrota=9.o lugar com 4.000 pontos:

1.a: Kai Otton (AUS) 16.60 x 11.34 Nat Young (EUA)

2.a: Julian Wilson (AUS) 18.67 x 13.83 Wiggolly Dantas (BRA)

3.a: Kelly Slater (EUA) 17.53 x 15.00 Michel Bourez (TAH)

4.a: Mick Fanning (AUS) 15.90 x 14.87 Keanu Asing (HAV)

TOP-22 NO JEEP LEADERBOARD DA WORLD SURF LEAGUE – após a 6.a etapa na África do Sul:

1.o: Adriano de Souza (BRA) – 33.200 pontos

2.o: Mick Fanning (AUS) – 32.950

3.o: Julian Wilson (AUS) – 31.450

4.o: Filipe Toledo (BRA) – 29.200

5.o: Owen Wright (AUS) – 27.900

6.o: Kelly Slater (EUA) – 23.200

7.o: Nat Young (EUA) – 22.250

8.o: Taj Burrow (AUS) – 22.200

9.o: Josh Kerr (AUS) – 19.700

9.o: Italo Ferreira (BRA) – 19.700

11: Bede Durbidge (AUS) – 17.700

12: Jeremy Flores (FRA) – 17.250

13: Wiggolly Dantas (BRA) – 17.150

14: John John Florence (HAV) – 16.500

15: Gabriel Medina (BRA) – 16.150

16: Matt Wilkinson (AUS) – 15.000

17: Joel Parkinson (AUS) – 14.950

18: Kai Otton (AUS) – 14.900

19: Jadson André (BRA) – 13.700

20: Adrian Buchan (AUS) – 12.750

21: Keanu Asing (HAV) – 12.500

22: Jordy Smith (AFR) – 12.450

26: Miguel Pupo (BRA) – 10.250

31: Alejo Muniz (BRA) – 7.950

PRÓXIMAS ETAPAS DO SAMSUNG GALAXY WORLD SURF LEAGUE CHAMPIONSHIP TOUR 2015:

7.a: Ago 14-25: Billabong Pro Teahupoo em Teahupoo, Taiarapu Ouest – Taiti

8.a: Set 09-20: Hurley Pro at Trestles em Lower Trestles, San Clemente, Califórnia – Estados Unidos

9.a: Out 06-17: Quiksilver Pro France em Hossegor, Landes – França

10: Out 20-31: Moche Rip Curl Pro Portugal em Supertubos, Peniche, Cascais – Portugal

11: Dez 08-20: Billabong Pipe Masters em Banzai Pipeline, Oahu – Havaí

Tags:, , , , , , , , , , , , , , , ,