Japonês e francesa conquistam vitórias inéditas no Vans US Open of Surfing

By WSL South America | 3 de agosto de 2015 | noticias

O japonês Hiroto Ohhara, de apenas 18 anos de idade, e a francesa Johanne Defay, 21, foram os protagonistas de um resultado inédito na longa história do US Open of Surfing no principal palco do surfe norte-americano na Califórnia. Foi a primeira vitória do Japão em Huntington Beach e em etapas importantes do Circuito Mundial, bem como a primeira de Johanne no WCT. Filipe Toledo, 20 anos, ganhou o duelo brasileiro com Alex Ribeiro, 25, mas a chance do bicampeonato no QS 10000 de Huntington acabou na semifinal com Tanner Hendrickson, 23. O havaiano parou o defensor do título, mas terminou como vice-campeão, assim como a australiana Sally Fitzgibbons, 24, na primeira decisão do domingo nos Estados Unidos.

Japonês Hiroto Ohhara fez história em Huntington Beach. (Foto: Morris – WSL)
Japonês Hiroto Ohhara fez história em Huntington Beach. (Foto: Morris – WSL)

O resultado mais surpreendente foi o do jovem japonês Hiroto Ohhara. Ele passou raspando pelos dois confrontos que disputou no domingo para fazer sua primeira final nas principais etapas do WSL Qualifying Series. Começou o domingo ganhando por 14,67 a 14,54 pontos do australiano Ryan Callinan e nas semifinais superou o norte-americano Kanoa Igarashi por 13,50 a 13,16. Na decisão do título, Ohhara surfou sua melhor onda e a nota 9,17 garantiu a vitória sobre Tanner Hendrickson por 14,50 a 12,90 pontos. Ele vibrou intensamente pela conquista inédita para o seu país, diante de uma multidão que lotou a praia, as arquibancadas e o píer de Huntington Beach no último dia.

“Eu não sei nem o que dizer, só que é uma sensação maravilhosa, incrível”, vibrou Hiroto Ohhara. “Estou superfeliz por vencer este evento e quero agradecer a todos, meus patrocinadores, família e amigos que sempre torcem por mim. Hoje (domingo) foi um dia muito especial para mim, para o meu país, agora me sinto mais confiante para o restante do ano. Eu aprendi muito aqui e quero agora buscar uma vaga no WCT, então vou manter o foco e já me concentrar para o próximo evento”.

O domingo da Vans US Open of Surfing foi marcado por longas calmarias em Huntington Beach e ondas pequenas de meio metro de altura, com poucas boas entrando nas baterias. A maioria foi definida por pequenas diferenças, como a semifinal entre Filipe Toledo e Tanner Hendrickson. Os dois usaram os aéreos para aumentar suas notas na conclusão das ondas e o havaiano completou o melhor numa direita que valeu nota 7,17. Depois tirou 6,07 para assumir a ponta e não largar mais até o fim da bateria.

Filipe ainda tentou reverter o resultado, mas o mar não ajudou e ele não conseguiu achar boas ondas para isso. Ele até chegou perto da virada na última que surfou, usando sua variedade de manobras modernas para buscar os 7,08 pontos que precisava. No entanto, dos cinco juízes, apenas dois acharam que a onda valia a vitória, os outros três não e a média ficou em 6,90, com o placar terminando em 13,24 a 13,07 pontos.

“Eu estou muito feliz. Mesmo perdendo a final, foi um dia incrível para mim”, disse Tanner Hendrickson. “Eu só quero agradecer a todos pelo apoio e por fazerem me sentir no topo do mundo. Ganhar do Filipe (Toledo) foi certamente o melhor momento da minha vida até agora. Eu dei tudo de mim para vencer aquela bateria e também fiz o melhor que pude na final, então não tenho do que reclamar, pois o segundo lugar numa etapa do QS 10000 também é um grande resultado”.

Hiroto Ohhara e Johanne Defay (Foto: Sean Rowland – WSL)
Hiroto Ohhara e Johanne Defay (Foto: Sean Rowland – WSL)

G-10 PARA O WCT – Com os 10.000 pontos do título em Huntington Beach, Hiroto Ohhara saltou do octagésimo para o 13.o lugar no WSL Qualifying Series, que está classificando para o WCT até o 12.o colocado porque Filipe Toledo em terceiro e o francês Jeremy Flores em quarto estão entre os 22 que são mantidos na elite dos top-34 da World Surf League. Assim como no Jeep Leaderboard com Adriano de Souza na frente da corrida do título mundial, o ranking de acesso é dominado pelos brasileiros. O líder é o catarinense Alejo Muniz, já confirmado entre os top-34 de 2016, seguido pelos paulistas Alex Ribeiro em segundo, Filipe em terceiro e Caio Ibelli em quinto, mas é o terceiro entre os dez que se classificam para o WCT com Filipe e Jeremy não precisando das vagas do QS.

O resultado do US Open provocou apenas duas mudanças de nomes no G-10. O cearense Michael Rodrigues, 20 anos, entrou na lista com as duas grandes vitórias nas primeiras fases. Ele perdeu na terceira, mas subiu para 11.o no ranking com os 2.200 pontos do 17.o lugar na Califórnia. E o norte-americano Kanoa Igarashi, 17 anos apenas, colocou seu nome quando ganhou uma disputa direta por vaga com o compatriota Nathan Yeomans, 33. Com os 6.500 pontos do terceiro lugar em casa, Kanoa subiu para nono no ranking que está garantindo até o 12.o, o australiano Jack Freestone. Os finalistas em Huntington Beach chegaram perto da zona de classificação, com Hiroto Ohhara em 13.o e Tanner Hendrickson em 14.o lugar.

FIM DA HEGEMONIA – A inédita vitória japonesa na Vans US Open of Surfing pôs fim a hegemonia brasileira no alto do pódio nas etapas do QS 10000 esse ano. A primeira foi o Oakley Trestles Pro vencido por Filipe Toledo em San Clemente, também na Califórnia, onde ele mora. A segunda foi no Brasil e outro paulista, Alex Ribeiro, ganhou o Quiksilver Pro Saquarema na “Cidade do Surf” da Região dos Lagos do Rio de Janeiro. E o catarinense Alejo Muniz garantiu o seu retorno a elite dos top-34 da World Surf League por antecipação com o título no Ballito Pro da África do Sul. Hiroto Ohhara agora bota o Japão nesta galeria de campeões do QS 10000 da World Surf League.

Ainda restam cinco provas com pontuação máxima, que são decisivas na batalha pelas dez vagas do WSL Qualifying Series para o WCT do ano que vem. Uma delas é o SP 10.000 que vai fechar a “perna brasileira” de fim de ano da WSL South America nos dias 02 a 09 de novembro na Praia de Maresias, em São Sebastião. Além desta etapa do QS 10000, no litoral norte de São Paulo, terão duas do QS 6000 em Santa Catarina e na Bahia. A série começa com o Red Nose Santa Catarina Pro na Praia do Santinho, em Florianópolis, nos dias 20 a 25 de outubro. E na semana seguinte, de 27 a 31, o já tradicional Mahalo Surf Eco Festival na Praia da Tiririca, em Itacaré.

Johanne Defay conquistando sua primeira vitória no WCT (Foto: Morris – WSL)
Johanne Defay conquistando sua primeira vitória no WCT (Foto: Morris – WSL)

FINAL FEMININA – Na Califórnia, a Vans US Open of Surfing também fechou a sexta etapa do Samsung Galaxy World Surf League Women´s Tour no domingo, com a inédita vitória de Johanne Defay em Huntington Beach. Poucas ondas entraram na bateria e Sally Fitzgibbons só conseguiu surfar uma melhor nos últimos minutos, mas a nota 7,0 não impediu a derrota por 13,54 a 11,83 pontos. Com o título, Johanne subiu da 11.a para a sexta posição no Jeep Leaderboard do Samsung Galaxy World Surf League Women´s Tour 2015, enquanto Sally, que vinha embalada pelo bicampeonato nas Ilhas Fiji, permaneceu em terceiro lugar, atrás da nova líder Courtney Conlogue e da havaiana Carissa Moore.

“É uma emoção incrível que nem consigo encontrar palavras para descrever o que estou sentindo”, disse Johanne Defay. “Eu nunca imaginei que poderia ganhar este campeonato, ou que poderia ganhar um evento do WCT. Eu só fui passando bateria por bateria até chegar na final e esta foi definitivamente a minha maior vitória. Eu terminei em oitavo no ranking do ano passado e achei que poderia ter chegado entre as cinco primeiras, então vamos ver o que acontece esse ano. Estou muito feliz por ter alguns amigos aqui comemorando essa vitória comigo e também já fico imaginando a festa que vai ser quando eu voltar pra casa”.

Antes de conquistar sua primeira vitória da carreira no WCT, a francesa passou um sufoco nas semifinais, ganhando por apenas 1 centésimo de diferença da sul-africana Bianca Buitendag no placar encerrado em 12,17 a 12,16 pontos. Na outra bateria, a nova número 1 do Jeep Leaderboard, Courtney Conlogue, não achou as ondas e foi batida por Fitzgibbons por 11,83 a 7,50 pontos. A vitória na Vans US Open of Surfing valeu um prêmio de 60 mil dólares para Johanne Defay e 10.000 pontos, com a vice-campeã ganhando 25 mil dólares e 8.000 pontos. A próxima etapa é o Trestles Women´s Pro e Courtney vai competir pela primeira vez com a lycra amarela de líder do ranking nos dias 9 a 20 de setembro em San Clemente, também na Califórnia, Estados Unidos.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – a World Surf League (WSL) organiza as competições anuais de surfe profissional e as transmissões ao vivo de cada etapa pelo worldsurfleague.com, onde você pode acompanhar todo o drama e aventura do surfe competitivo em qualquer lugar e a qualquer hora onde acontecer. As sanções da WSL são para os seguintes circuitos: World Surf League Championship Tour (CT), que define os campeões mundiais da temporada, Qualifying Series (QS), Big Wave Tour, Pro Junior e Longboard. A organização da WSL está sediada em Santa Monica, Califórnia, com escritório comercial em Nova York. A WSL também tem sete escritórios regionais de apoio na organização dos eventos na África, Ásia, Austrália, Europa, Havaí, América do Norte e América do Sul.

————————————————————————

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

————————————————————————

RESULTADOS DO DOMINGO NA VANS US OPEN OF SURFING:

GRANDE FINAL DO WSL QS 10000:

Campeão: Hiroto Ohhara (JPN) por 14.50 pontos (notas 9,17+5,33) – US$ 40.000 e 10.000 pontos

Vice-campeão: Tanner Hendrickson (HAV) com 12.90 pontos (7,00+5,90) – US$ 20.000 e 8.000 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 11.000 e 6.500 pontos:

1.a: Hiroto Ohhara (JPN) 13.50 x 13.16 Kanoa Igarashi (EUA)

2.a: Tanner Hendrickson (HAV) 13.24 x 13.07 Filipe Toledo (BRA)

QUARTAS DE FINAL DO QS 10000 – 9.o lugar com US$ 7.000 e 5.200 pontos:

1.a: Kanoa Igarashi (EUA) 14.00 x 11.40 Nathan Yeomans (EUA)

2.a: Hiroto Ohhara (JPN) 14.67 x 14.54 Ryan Callinan (AUS)

3.a: Alex Ribeiro (BRA) 14.93 x 14.30 Filipe Toledo (BRA)

4.a: Tanner Hendrickson (HAV) 13.26 x 7.93 Kolohe Andino (EUA)

FINAL DA SEXTA ETAPA DO SAMSUNG GALAXY WSL WOMEN´S TOUR:

Campeã: Johanne Defay (FRA) por 13,54 pontos (notas 7,67+5,87) – US$ 60.000 e 10.000 pontos

Vice-campeã: Sally Fitzgibbons (AUS) com 11,83 pontos (7,00+4,83) – US$ 25.000 e 8.000 pontos

SEMIFINAIS DO WSL WOMEN´S TOUR – 3.o lugar com 6.500 pontos e US$ 16.250 de prêmio:

1.a: Johanne Defay (FRA) 12.17 x 12.16 Bianca Buitendag (AFR)

2.a: Sally Fitzgibbons (AUS) 11.83 x 7.50 Courtney Conlogue (EUA)

RANKING JEEP LEADERBOARD – WORLD SURF LEAGUE WOMEN´S TOUR – 6 etapas:

1.a: Courtney Conlogue (EUA) – 43.400 pontos

2.a: Carissa Moore (HAV) – 43.000

3.a: Sally Fitzgibbons (AUS) – 37.600

4.a: Bianca Buitendag (AFR) – 32.750

5.a: Lakey Peterson (EUA) – 32.500

6.a: Johanne Defay (FRA) – 30.050

7.a: Tyler Wright (AUS) – 28.450

8.a: Malia Manuel (HAV) – 27.150

9.a: Tatiana Weston Webb (HAV) – 26.800

10.a: Stephanie Gilmore (AUS) – 24.550

11.a: Coco Ho (HAV) – 23.600

12.a: Silvana Lima (BRA) – 20.150

——mais 12 surfistas pontuaram no ranking 2015

G-10 DO RANKING WSL QUALIFYING SERIES – após a 16.a etapa – Vans US Open of Surfing:

1.o: Alejo Muniz (BRA) – 22.350 pontos

2.o: Alex Ribeiro (BRA) – 17.850

3.o: Filipe Toledo (BRA) – 16.500

4.o: Jeremy Flores (FRA) – 16.400

5.o: Caio Ibelli (BRA) – 15.750

6.o: Ryan Callinan (AUS) – 15.250

7.o: Joan Duru (FRA) – 14.850

8.o: Kolohe Andino (EUA) – 14.560

9.o: Kanoa Igarashi (EUA) – 14.140

10.o: Davey Cathels (AUS) – 13.400

11.o: Michael Rodrigues (BRA) – 13.350

12.o: Jack Freestone (AUS) – 13.050

———sul-americanos até o 100.o lugar:

23: Italo Ferreira (BRA) – 10.100 pontos

32: Jessé Mendes (BRA) – 8.600

33: Santiago Muniz (ARG) – 8.000

40: Miguel Pupo (BRA) – 6.900

42: Tomas Hermes (BRA) – 6.700

45: Heitor Alves (BRA) – 6.570

49: David do Carmo (BRA) – 5.600

55: Ian Gouveia (BRA) – 5.280

58: Deivid Silva (BRA) – 5.100

61: Jadson André (BRA) – 4.900

63: Marco Fernandez (BRA) – 4.770

70: Luel Felipe (BRA) – 4.410

71: Willian Cardoso (BRA) – 4.400

73: Wiggolly Dantas (BRA) – 4.200

77: Thiago Camarão (BRA) – 4.060

78: Lucas Silveira (BRA) – 4.045

82: Miguel Tudela (PER) – 3.710

83: Krystian Kymerson (BRA) – 3.550

90: Hizunomê Bettero (BRA) – 3.290

94: Jean da Silva (BRA) – 3.150

100: Bino Lopes (BRA) – 2.970

Tags:, , , , , , , , , , , , , , ,