Maui and Sons Arica Pro Tour fecha rodada de estreias no Chile

By WSL South America | 6 de agosto de 2015 | noticias

O chileno Guillermo Satt surfou o melhor tubo da quinta-feira de mar perigoso em El Gringo e o surfista de São Bartolomeu, Dimitri Ouvre, fez o maior placar do dia na etapa do QS 1500 que prossegue até domingo em Arica
As ondas baixaram ainda mais na quinta-feira e as condições ficaram mais perigosas, mas El Gringo continuou apresentando belos tubos de 3-5 pés para os 31 competidores que ainda não tinham estreado no QS 1500 Maui and Sons Arica Pro Tour no Chile. Surfando em casa, o chileno Guillermo Satt surfou o melhor tubo do dia, recebendo nota 9,5 logo na primeira onda que pegou na sua bateria. Já o maior placar foi registrado por Dimitri Ouvre, de São Bartolomeu, que totalizou 16,90 pontos com notas 9,00 e 7,90. Ninguém bateu as marcas do brasileiro Lucas Chianca, que permanece como recordista absoluto com a nota 9,75 e os 17,25 pontos que conseguiu no primeiro dia do Desafio de Arica em Ex Isla Alacrán, no Chile.

Lucas Silveira (BRA) (@pablojimenez_photo)
Lucas Silveira (BRA) (@pablojimenez_photo)

Lucas vai disputar o primeiro confronto da sexta-feira em El Gringo, abrindo a segunda rodada do Maui and Sons Arica Pro Tour contra três peruanos, o campeão desta etapa em 2013, Alvaro Malpartida, Sebastian Correa e Joaquin Del Castillo. Entre os 32 classificados da primeira fase, o Brasil continua em maioria com dez surfistas, contra seis peruanos, cinco chilenos, quatro havaianos, dois norte-americanos, dois franceses, um australiano, um argentino e o recordista da quinta-feira, o francês Dimitri Ouvre, de São Bartolomeu. Ele estreou no quinto confronto do dia e surfou as melhores ondas que entraram na bateria para ganhar fácil dos peruanos Alonso Correa e Martin Jeri, além do chileno Nicolas Undurraga.

“Eu acho que tive sorte de pegar a melhor onda da bateria”, disse Dimitri Ouvre. “Ganhar uma nota 9,0 logo no início deixa você mais tranquilo para escolher as ondas e isso é uma vantagem sobre os adversários. A bateria foi meio lenta, difícil de achar as melhores ondas, mas sempre entram algumas boas que você pode pegar se estiver bem posicionado”. Dimitri também falou um pouco de São Bartolomeu, onde ele mora. “Agora lá em St. Barts está bem flat (sem ondas). Nós temos que esperar pelo inverno e como fica no hemisfério norte, que é diferente. A melhor época de ondas lá é em dezembro, que fica legal com água quente”.

No Chile, Dimitri competiu no melhor momento do mar na quinta-feira e na disputa seguinte o chileno Guillermo Satt surfou o tubo mais incrível do dia em El Gringo. A nota 9,5 recebida foi decisiva para uma tranquila vitória por 16,00 pontos. Na briga pela segunda vaga para a próxima fase, o brasileiro João Chianca superou o peruano Cristobal de Col por uma pequena diferença de 10,55 a 10,15 pontos, enquanto o chileno Tristan Aicardi só conseguiu 8,85 nas duas notas computadas. Com o mar menor, as direitas de El Gringo também funcionaram na quinta-feira, mas as esquerdas continuaram sendo a melhor opção, com tubos mais longos e profundos. Foram neles que saíram as maiores notas do dia.

Guillermo Satt (CHL) (@pablojimenez_photo)
Guillermo Satt (CHL) (@pablojimenez_photo)

“Estou muito feliz. Consegui uma onda muito boa (9.50) logo no início da bateria e isso me deu uma grande tranquilidade para o restante da bateria”, disse Guillermo Satt, campeão do Maui and Sons Arica Pro Tour em 2011. “Hoje (quinta-feira) as ondas não estavam do jeito que eu gosto, mas é o que temos para correr o campeonato e precisamos competir assim mesmo. Estou feliz por ter avançado para a próxima fase e por seguir lutando pelo meu segundo título aqui na minha casa, que é o principal objetivo”.

VITÓRIAS DE SETE PAÍSES – Surfistas de vários países se destacaram vencendo as oito baterias do segundo dia do Maui and Sons Arica Pro Tour. A quinta-feira começou com vitória peruana de Miguel Tudela, o brasileiro Paulo Moura ganhou a segunda do dia, o australiano Max Longhurst levou a terceira e o havaiano Travis Beckmann ficou em primeiro lugar na quarta. Na quinta, o único representante de São Bartolomeu, Dimitri Ouvre, fez os recordes do dia. Na seguinte, o chileno Guillermo Satt ganhou a maior nota, na sétima bateria deu França com Paul Cesar Distinguin e só o Chile conseguiu uma segunda vitória, com Leon Vicuña no último confronto do dia.

Travis Beckmann (HAW) (@pablojimenez_photo)
Travis Beckmann (HAW) (@pablojimenez_photo)

“É a primeira vez que venho aqui e estou estranhando a água gelada, pois no Havaí é bem diferente (risos)”, disse o havaiano Travis Beckmann, após a vitória sobre o peruano Lucca Mesinas e o chileno Danilo Cerda. “Apesar do frio, as ondas compensam. Ontem (quinta-feira) eu surfei alguns dos melhores tubos da minha vida e estou adorando este lugar. Infelizmente hoje o mar ficou bem pequeno e na minha bateria as condições estavam bem difíceis, mas consegui fazer uma onda muito boa. Faltou uma segunda nota mais consistente para somar, mas mesmo assim consegui vencer a bateria e só espero que o mar melhore para amanhã”.

TÍTULO SUL-AMERICANO – O havaiano é um dos surfistas de outros continentes que vieram para o Chile atrás dos tubos de El Gringo e dos 1.500 pontos para o WSL Qualifying Series. Mas, o Maui and Sons Arica Pro Tour também vale 1.000 pontos para os sul-americanos no ranking que vai apontar o campeão regional da WSL South America. O líder é Robson Santos, que estreou com vitória na quarta-feira. E o vice, Lucas Silveira, também se classificou na quinta-feira, mas foi no sufoco, na onda surfada nos últimos minutos da bateria vencida por Max Longhurst. Foi uma disputa fraca de ondas que terminou com vitória do australiano por 10,00 pontos e Lucas superando o também brasileiro Halley Batista por apenas 8,65 a 8,05 pontos.

“A bateria foi bem complicada, o mar estava bem difícil, muito perigoso, com as ondas quebrando em cima da pedra e não consegui completar nenhum tubo. Aqui em El Gringo é assim, quanto menor, mais perigoso fica”, disse Lucas Silveira. “Eu acabei pegando umas direitas pra passar a bateria só com manobras e me classifiquei nos últimos 10 segundos com uma nota 3 e pouco que eu precisava. Às vezes as condições do mar não estão favoráveis e dei sorte de não me machucar na pedra, mesmo encostando nela várias vezes. Eu espero que na próxima fase as ondas estejam melhores para pegar alguns tubos, que é o que eu vim fazer aqui”.

VITÓRIA BRASILEIRA – O pernambucano Paulo Moura também comentou sobre a sua estreia na única vitória brasileira conquistada nas oito baterias disputadas na quinta-feira. O surfista que por muitos anos fez parte da elite mundial do WCT, derrotou o vice-campeão do Maui and Sons Arica Pro Tour em 2012, o havaiano Eala Stewart, com ambos despachando dois chilenos no segundo confronto do dia, Diego Medina e Jorge Soto.

“As condições do mar estavam um pouco pequenas e difíceis, com poucas ondas, mas consegui dois scores médios para liderar a bateria toda”, contou Paulo Moura. “Arica tem uma onda muito boa, adoro competir aqui, poder surfar bons tubos e amanhã começa a subir o mar de novo para nossa alegria. A expectativa é sempre a melhor de pegar altas ondas em El Gringo e espero ir avançando para fazer a final aqui, essa é a meta”.

O Maui and Sons Arica Pro Tour está sendo transmitido ao vivo pelo http://www.mauiandsons.cl/aricaprotour2015/ e a primeira chamada para a segunda fase foi marcada para as 8h00 da sexta-feira no Chile. O primeiro confronto terá o recordista absoluto do campeonato esse ano, o brasileiro Lucas Chianca, enfrentando três peruanos, Alvaro Malpartida, Sebastian Correa e Joaquin Del Castillo.

————————————————————————
João Carvalho – WSL South America Media Manager
(48) 9988-2986 – jcarvalho@worldsurfleague.com

Entrevistas: Klaus Kaiser – Tour Manager da WSL South America
————————————————————————

SEGUNDA FASE DO QS 1500 MAUI AND SONS ARICA PRO TOUR:
——–1.o e 2.o=Terceira Fase / 3.o=17.o lugar (US$ 700 e 300 pontos) e 4.o=25.o lugar (US$ 600 e 280 pts):
1.a: Sebastian Correa (PER), Lucas Chianca (BRA), Alvaro Malpartida (PER), Joaquin Del Castillo (PER)
2.a: Kiron Jabour (HAV), Manuel Selman (CHL), Yago Dora (BRA), Nicolas Vargas (CHL)
3.a: Robson Santos (BRA), Andy Criere (FRA), Wesley Leite (BRA), Christian Merello (CHL)
4.a: Alcides Lopes (BRA), Luan Wood (BRA), Johnny Noris (EUA), Kevin Sullivan (HAV)
5.a: Miguel Tudela (PER), Paulo Moura (BRA), Lucas Silveira (BRA), Lucca Mesinas Novaro (PER)
6.a: Jeronimo Vargas (BRA), Eala Stewart (HAV), Max Longhurst (AUS), Travis Beckmann (HAV)
7.a: Dimitri Ouvre (BLM), Guillermo Satt (CHL), Nahuel Amalfitano (ARG), Jacob Szekely (EUA)
8.a: Alonso Correa (PER), João Chianca (BRA), Paul Cesar Distinguin (FRA), Leon Vicuña (CHL)

PRIMEIRA FASE – 3.o=33.o lugar (US$ 400 e 180 pontos) e 4.o=49.o lugar (US$ 300 e 165 pts):
———–baterias realizadas na quinta-feira:
9.a: 1-Miguel Tudela (PER)=11.90, 2-Jeronimo Vargas (BRA)=11.50, 3-Tales Araujo (BRA)=11.00
10: 1-Paulo Moura (BRA)=12.65, 2-Eala Stewart (HAV)=9.30, 3-Diego Medina (CHL)=8.50, 4-Jorge Soto (CHL)=4.20
11: 1-Max Longhurst (AUS)=10.00, 2-Lucas Silveira (BRA)=8.65, 3-Halley Batista (BRA)=8.05, w.o-Brad Ettinger (EUA)
12: 1-Travis Beckmann (HAV)=10.90, 2-Lucca Mesinas Novaro (PER)=10.40, 3-Danilo Cera (CHL)=10.40, w.o-Myles Laine-Toner (HAV)
13: 1-Dimitri Ouvre (BLM)=16.90, 2-Alonso Correa (PER)==11.75, 3-Nicolas Undurraga (CHL)=4.90, 4-Martin Jeri (PER)=3.80
14: 1-Guillermo Satt (CHL)=16.00, 2-João Chianca (BRA)=10.55, 3-Cristobal de Col (PER)=10.15, 4-Tristan Aicardi (CHL)=8.85
15: 1-Paul Cesar Distinguin (FRA)=12.10, 2-Nahuel Amalfitano (ARG)=10.60, 3-Roberto Araki (CHL)=5.00, 4-Schuyler Allen (HAV)=3.85
16: 1-Leon Vicuña (CHL)=12.00, 2-Jacob Szekely (EUA)=6.65, 3-Juan Arca (ARG)=3.45, 4-Francisco Bellorin (VEN)=2.70
———–resultados da quarta-feira:
1.a: 1-Sebastian Correa (PER)=11.00, 2-Kiron Jabour (HAV)=8.10, 3-Phillippe Chagas (BRA)=3.15, 4-Diego Del Corral (CHL)=1.05
2.a: 1-Lucas Chianca (BRA)=17.25, 2-Manuel Selman (CHL)=15.00, 3-Luke Shepardson (HAV)=10.75, 4-Rafael Tapia (CHL)=4.40
3.a: 1-Yago Dora (BRA)=13.50, 2-Alvaro Malpartida (PER)=12.50, 3-Caiden Fowler (AUS)=9.50, 4-Eli Olson (HAV)=5.35
4.a: 1-Nicolas Vargas (CHL)=12.55, 2-Joaquin Del Castillo (PER)=8.85, 3-Keoni Yan (HAV)=6.35, 4-Weslley Dantas (BRA)=0.00
5.a: 1-Robson Santos (BRA)=9.60, 2-Alcides Lopes (BRA)=9.00, 3-Samuel Igo (BRA)=3.25, 4-Alejandro Diaz (CHL)=3.10
6.a: 1-Andy Criere (FRA)=12.35, 2-Luan Wood (BRA)=4.50, 3-Kalani Ross (HAV)=4.05, 4-Gianni Porcari (PER)=3.85
7.a: 1-Johnny Noris (EUA)=15.25, 2-Wesley Leite (BRA)=11.50, 3-Renato Aguirre (CHL)=5.50, 4-Tomas Tudela (PER)=3.50
8.a: 1-Kevin Sullivan (HAV)=12.65, 2-Cristian Merello (CHL)=10.90, 3-Teale Vanner (AUS)=7.85, 4-Martin Passeri (ARG)=3.30

Tags:, , , , , , , , , , , , , , , ,